Sinteps promove ato pelo atendimento das reivindicações dadata-base e por democratização do Ceeteps.Superintendente recebe comissão

23/5/2012

No dia 22 de maio, o Sinteps promoveu um ato público em frente ao Centro Paula Souza, em São Paulo. A atividade - que contou com a presença de caravanas de Jaú, Sorocaba, Santos e Catanduva, além de participantes de várias unidades do interior e da capital - foi uma etapa da nossa luta pelo atendimento das reivindicações na data-base 2012 e, também, para impulsionar a campanha pela democratização das estruturas de poder do Centro (queremos eleições diretas e paritárias para a superintendência do Ceeteps, com igual peso para professores, servidores técnico-administrativos e estudantes).

Durante o ato, os presentes fizeram um minuto de silêncio, em homenagem ao professor Deoclécio Damasceno, da ETEC Rubens de Faria e Souza, de Sorocaba, diretor de base do Sinteps que faleceu no dia 21 de maio (veja nota no site).

src=http://remenegatti.com.br/dev/sinteps/images/cmigration/news0393_clip_image002.jpg

 

Reunião com a superintendente

Por insistência do Sinteps, a superintendente do Centro Paula Souza, professora Laura Laganá, recebeu uma comissão de diretores e representantes de base da entidade no início da tarde. O objetivo foi cobrar a continuidade das negociações em torno à  data-base 2012.

Os representantes do Sinteps lembraram à  superintendente que, após a reunião em que o governo anunciou o reajuste salarial de 10,2%, válido para agosto, não houve mais nenhum retorno, embora os demais pontos da pauta de reivindicações continuem em aberto. Eles destacaram que os pontos salariais da pauta englobam: reposição da inflação dos últimos 12 meses ( cerca de 6%) + recomposição de perdas salariais pelo não enquadramento automático em 2012 ( 12% para os docentes, 10% para os auxiliares de docente e 5% para os administrativos, além de 7% para estes últimos, para equiparação com a Lei 1.080/2008) + reposição das perdas pelo não pagamento do Cruesp ( 88,14% para os docentes e 103,38% para os administrativos e auxiliares docentes).

A superintendente sinalizou que o governo não pretende negociar diretamente estes pontos, mas que eles poderiam ser minimizados na nova carreira. Segunda a professora Laura, o enquadramento gerado com a nova carreira corrigiria parte das perdas. Neste momento, os representantes do Sinteps questionaram o andamento do projeto, uma vez que não houve nenhuma divulgação até o momento. A superintendente concordou em agendar uma reunião (entre os dias 22 e 25 de junho) para expor - finalmente - qual é a proposta de nova carreira, com suas respectivas tabelas.

Em reunião do Conselho de Diretores de Base (CDB), logo após a reunião na superintendência, a avaliação da direção do Sindicato foi a de que é preciso ampliar a mobilização da categoria, para forçar o governo a negociar seriamente com a entidade e, também, nos apresentar uma proposta de nova carreira que contemple as expectativas da categoria.