14/7/2011

Nos últimos dias, várias matérias estão sendo publicadas na imprensa a respeito da iniciativa do governo Alckmin, de implantar o ensino técnico em parte das escolas da rede estadual paulista. De acordo com as matérias, o programa é fruto de um acordo com o Centro Paula Souza e o governo federal. Prevê que o estudante do ensino médio da rede estadual receberá conteúdo técnico numa unidade das Etecs (escolas técnicas estaduais) ou do IFSP (instituto federal). O programa terá início em outubro deste ano e, inicialmente, oferecerá 30 mil vagas.

Sem entrar no mérito acadêmico-social da proposta - isso demandaria uma análise mais acurada - chama a atenção o fato de que, mais uma vez, o governo Alckmin ancora-se no Centro Paula Souza para ganhar destaque na imprensa. No entanto, os profissionais do Centro, que colocarão o novo programa em funcionamento nas ETECs participantes, são tratados como cidadãos de segunda classe por este mesmo governo, que lhes reserva salários indignos e péssimas condições de trabalho.

Abaixo, confira detalhes do assunto em duas matérias divulgadas na grande imprensa:

...........................................................................................................................................

O Estado de S. Paulo12/7/2011

Governo de SP amplia ensino médio técnico

Objetivo é aumentar a oferta de mão de obra e reduzir evasão dos alunos nessa etapa da educação básica12 de julho de 2011 | 0h 00Mariana Mandelli - O Estado de S.Paulo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou ontem o lançamento do programa Rede Ensino Médio Técnico, que vai ampliar a oferta de vagas da modalidade no Estado de São Paulo. A ideia do governo é aumentar a oferta de mão de obra e evitar a evasão dos alunos nessa etapa da educação básica.

Para isso, foram anunciadas parcerias da Secretaria de Estado da Educação com o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). O governo também abrirá, nesta semana, uma chamada pública para instituições particulares interessadas em participar do programa estadual.

Tudo isso para estimular o aluno que terminou o 9.º ano do ensino fundamental não parar de estudar e ir para o ensino médio, disse Alckmin, citando a evasão que essa etapa de ensino enfrenta hoje nas escolas estaduais. Ele vai sair melhor formado e vai atender o mercado, tendo o ensino médio, e já vai ser um técnico diplomado.

Conforme o Estado havia adiantado em maio, a ampliação das vagas ocorrerá por meio de duas modalidades: concomitante e integrada. O modelo concomitante deve começar em outubro, com 30 mil vagas voltadas para os alunos matriculados no 2.º ano do ensino médio. O estudante vai cursar o ensino médio regular em uma escola estadual e o técnico em uma das instituições que ainda serão credenciadas. O governo quer implementar o modelo em cidades com mais de 40 mil habitantes - o que totaliza 155 municípios. Caso a procura seja maior que a oferta, haverá sorteio. Temos um orçamento separado apara atender até 30 mil alunos, disse o secretário da Educação, Herman Voorwald.

O modelo integrado começa apenas em 2012, com 10 mil vagas. Nele, o aluno do 1.º ano do ensino médio de escolas previamente escolhidas vai, em um único curso, ter acesso à  formação básica e à  técnica.

O curso será organizado pela Secretaria Estadual, Centro Paula Souza e IFSP. O ingresso será por vestibulinho (para o Centro Paula Souza, com 8 mil vagas) e sorteio (pelo IFSP, com 2 mil vagas). É a primeira vez que os governos estadual e federal se unem, em São Paulo, para ampliar a oferta de ensino técnico numa mesma ação.

O governo estadual pretende atingir, em 2012, com os dois modelos, 100 mil vagas. Segundo a diretora-superintendente do Paula Souza, Laura Laganá, ainda não se sabe a quantidade existente dessas vagas e o quanto deve ser ampliado. Não adianta ampliar sem saber a demanda, diz. Ainda estamos fazendo esse estudo e só saberemos em dois meses.

Empregos. Segundo Alckmin, o governo lança na quinta-feira o Via Rápida, um programa para oferecer cursos rápidos, de um a três meses, para desempregados sem ensino médio. serão oferecidos bolsas de R$ 210 e vale-transporte de R$ 120, além de incentivar o ingresso em cursos de Educação para Jovens e Adultos (EJA) para concluir os estudos.

MODELOS

Forma concomitante

Terá início a partir de outubro deste ano, quando 30 mil vagas serão abertas. O aluno cursará o ensino médio na rede estadual e o técnico em uma das instituições privadas de educação profissional que serão credenciadas pelo governo. É voltado para alunos do 2º ano do ensino médio estadual. As inscrições vão de 23 de agosto a 4 de setembro e, se houver mais inscritos que vagas, haverá sorteio.Forma integrada

Terá início em 2012. A formação básica e o ensino técnico serão oferecidos em um único curso, formatado pela secretaria, Centro Paula Souza e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Poderão concorrer à s vagas estudantes do 1º ano do ensino médio.

Folha de S. Paulo12/7/2011TENDÊNCIAS/DEBATES

E nsino médio mais próximo do trabalho

HERMAN VOORWALD e JOÃO CARDOSO PALMA FILHO

A educação universal e de qualidade, aliada à  formação escolar para o trabalho, é uma influência positiva na inclusão social do jovemO governador Geraldo Alckmin acaba de dar passos decisivos para fazer da rede estadual de ensino um poderoso vetor da consolidação de São Paulo, aos olhos do mundo, como um grande polo de desenvolvimento econômico, agrícola, industrial, tecnológico e educacional.Após estabelecer a política salarial dos quatro anos de sua gestão para o magistério e o quadro de apoio escolar -com aumento salarial sem precedentes e uma estrutura de cargos e vencimentos para sólido plano de carreira-, o chefe do Executivo paulista assinou nesta semana o decreto que institui o Programa Rede Ensino Médio Técnico do Estado de São Paulo.A importância da educação para o desenvolvimento tem dois pressupostos fundamentais: a proficiência da força de trabalho no plano econômico e a promoção da cidadania, que resulta da equidade social, uma realidade graças à  igualdade de oportunidades.A educação universal e de qualidade, aliada à  formação escolar para o trabalho, influi positivamente na inclusão social do jovem, tão presente nas preocupações de todos os setores da sociedade.Nosso Estado registra índices de acesso ao ensino médio técnico que ainda precisam ser ampliados.A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional estabelece a necessidade de superação da crise de identidade do ensino médio, para que este adquira uma estrutura curricular que articule a formação cultural e o trabalho produtivo, as ciências naturais e as humanas, os conceitos científicos e o universo das tecnologias.Isso se torna possível por uma articulação curricular que agregue ao ensino médio regular a formação para o trabalho.Para articular seu objetivo de ampliar o acesso à  formação técnica de nível médio, a Secretaria de Estado da Educação atuou em duas direções. Uma delas foi promover uma chamada pública para o credenciamento de instituições interessadas em participar do programa lançado pelo governador.Outra foi articular a colaboração valiosa de duas instituições de grande prestígio nacional na formação para o trabalho, o Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo.serão oferecidas duas modalidades de educação profissional técnica articuladas ao ensino médio.Uma delas ainda neste ano, para 30 mil alunos da 2ª série, que poderão se matricular nas instituições de educação profissional credenciadas. A outra modalidade prevê a formação básica na escola da rede estadual e a formação técnica nas unidades do Centro Paula Souza ou do Instituto Federal.O acesso a essas duas modalidades de formação profissional atingirá 30% de todas as matrículas no ensino médio da rede estadual até o ano de 2014.Em termos de Brasil, isso significará uma grandiosa contribuição de São Paulo para o desenvolvimento econômico, em harmonia com a crescente inclusão do jovem no mundo do trabalho.

HERMAN VOORWALD, 56, é secretário da Educação do Estado de São Paulo.JOÃO CARDOSO PALMA FILHO, 66, é secretário-adjunto da Educação do Estado de São Paulo.Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.