FETE-SP repudia ação da PM na Alesp. Violência não nos calará!

A Federação Estadual dos Trabalhadores da Educação no Estado de São Paulo (FETE-SP) repudia a ação criminosa da Polícia Militar que, sob ordens diretas do governador João Dória Jr., reprimiu violentamente, com uso de bombas de gás lacrimogêneo, gás de pimenta e balas de borracha, manifestação que reuniu, aproximadamente, 20 mil servidores públicos contra a votação da Reforma da Previdência, hoje, dia 3 de março, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, Alesp.


Pela primeira vez na história da Alesp que a Tropa de Choque da PM é acionada pelo governador do Estado, João Dória, e pelo presidente da Alesp, deputado Cauê Macris, ambos do PSDB, a agir dentro das dependências da casa legislativa, colocando em risco a integridade física e moral de todos que ali estavam, inclusive quem não participava das manifestações. Muitos foram atingidos por balas de borracha ou ficaram bastante machucados pelos golpes de cassetetes.


A manifestação que ocorria do lado de fora da Alesp também foi dispersada devido à agressão covarde empregada pela PM.


A FETE-SP lembra que manifestar-se contra atos do Estado é um direito Constitucional. A manifestação que reuniu milhares de servidores protestava contra a reforma da Previdência que retira e usurpa direitos dos trabalhadores e trabalhadoras dos serviços públicos. Após manobrar o início das votações, adiantando para às 9 horas da manhã, a sessão marcada anteriormente para às 19h, o presidente da Casa, Cauê Macris, autorizou a entrada da Tropa de Choque para agredir e expulsar os trabalhadores das dependências da Alesp. A FETE-SP quer lembrar que protestos pacíficos e constitucionais são, além de uma transgressão às leis, demonstram clara intenção de silenciar o povo pela extrema violência. No entanto, os(as) trabalhadores(as) não irão se intimidar diante do avanço do fascismo e não se calarão em defesa dos seus direitos.


Nilcea Fleury
Presidenta da FETE-SP