Técnico-administrativos das federais iniciam greve em 11 de junho

06/06/2012

Seguindo o caminho dos docentes das universidades federais, em greve desde o dia 17 de maio, os técnico-administrativos destas instituições também devem cruzar os braços a partir de 11 de junho. A decisão foi tomada em reunião plenária da Federação dos Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Públicas (Fasubra), realizada em 4/6.

Com a participação de 37 entidades e 173 delegados de todo país, a plenária foi considerada a maior já realizada pela Fasubra. Nos próximos dias as reitorias serão devidamente avisadas sobre a greve, atendendo os prazos regimentais previstos em Lei.

Governo não quis negociar

Depois de várias tentativas de negociação com o governo, todas sem sucesso, os servidores chegaram ao limite. Nosso caminho preferencial é sempre o da negociação, a greve é a última medida. Infelizmente, o governo federal preferiu não negociar e não nos deu outra opção, informou a Fasubra em comunicado à  imprensa.

As principais reivindicações dos trabalhadores são o aumento do piso salarial e a correção das pendências da carreira desde 2007.

Calendário da greveDia 11/06 - Deflagração da greve;Dia 12/06 - Atos e mobilizações de rua;Dia 14/06 - Atos e mobilizações nos Hospitais Universitários;Dia 15/06 - Instalação do Comando Nacional de Greve (CNG);Dia 18/06 - Atos nas reitorias.

Moção

O Fórum das Seis enviou moção de apoio à  greve dos docentes das universidades federais, iniciada em 17 de maio. Acompanhe a seguir:

..............................................................................................

Ao ANDES-SN

Apoio à  greve dos docentes das universidades federais

 

O Fórum das Seis, que congrega as entidades sindicais e estudantis da USP, Unesp, Unicamp e do Centro Paula Souza (Ceeteps), reunido nesta data, manifesta seu apoio à  greve dos docentes das universidades federais, iniciada em 17/5/2012, organizada pelo ANDES-SN.

O Fórum das Seis não tem dúvidas de que a greve se insere na luta desenvolvida pelo ANDES-SN, em defesa da educação superior pública, gratuita e de qualidade no país, socialmente referenciada, e das condições de trabalho e remuneração dos docentes. Considera, ainda, que ao lado dos funcionários técnico-administrativos e dos estudantes, os docentes constituem o maior patrimônio das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), sendo indispensáveis no desenvolvimento das atividades essenciais de ensino, pesquisa e extensão.

 

Fórum das Seis Entidades

São Paulo, 25 de maio de 2012.