7/2/2012

O mandato da atual diretora superintendente do Ceeteps, Laura Laganá, encerra-se no segundo semestre de 2012. Não há possibilidade de recondução, por se tratar do seu segundo mandato.

Nos bastidores, os prováveis sucessores já se movimentam rumo ao cargo, sem, contudo, preocupar-se em atender aos anseios da comunidade acadêmica. E é assim porque eles sabem que sua ascensão ao cargo não dependerá de nós, trabalhadores e estudantes do Ceeteps.

Assim como na indicação nos dois mandatos de Marcos Antonio Monteiro e nos dois mandatos de Laura Laganá, seis pessoas, estranhas ao Ceeteps em sua maior parte, que compõem o Conselho Deliberativo do Centro, é que vão eleger o próximo dirigente da autarquia. O nome escolhido por estes iluminados será enviado ao governador, para a canetada final.

Através deste sistema, o Ceeteps vai sendo dirigido por pessoas ligadas ao PSDB, submetidas à s demandas do partido, alheias aos interesses da comunidade e sem qualquer compromisso com os professores, funcionários e alunos. É por isso que temos o mais baixo salário da educação profissional e tecnológica do Brasil; é por isso que as condições de trabalho são ruins e, à s vezes, até precárias; é por isso que a expansão do Ceeteps é feita ao sabor dos desejos e compromissos políticos; é por isso que não há democracia em nossa instituição e que, nos poucos rincões em que há alguma participação da comunidade, a escolha de diretores de unidades nem sempre acaba com a nomeação do primeiro colocado.

Mas este quadro já foi diferente, quando elegemos diretamente um superintendente (o professor Elias Horani), em 1992. Isso mostra que é possível, se houver interesse da comunidade acadêmica, democratizar o Ceeteps.

Podemos, sim, ter eleições para os dirigentes do Centro. Podemos, sim, ampliar a estrutura do seu Conselho Deliberativo e garantir a participação dos diversos segmentos da comunidade. Podemos, ainda, ter a implantação de novos Conselhos, também com a participação dos segmentos, para discussão administrativa, de ensino, de pesquisa e de extensão de serviços à  comunidade, objetivos diretos de uma instituição pública da educação profissional e tecnológica.

Campanha ampla

O Sinteps propõe a realização de uma ampla campanha pela democratização do Centro em 2012, com a participação dos trabalhadores e o envolvimento dos estudantes. A proposta da direção do Sindicato é que iniciemos a mobilização agora, ainda no primeiro semestre, quando o Conselho Deliberativo reúne-se para aprovar as regras da sucessão. Vamos pressionar o Conselho a aprovar regras que garantam as eleições diretas, seja na administração central, seja nas unidades, com a participação paritária (peso igual para professores, servidores e estudantes).

Queremos respeito!

Queremos votar e ser votados!