Hora de impulsionar a mobilização! Em fevereiro, todos às assembleias setoriais para debater a pauta de reivindicações 2018

No calendário de mobilização apontado pelo Sinteps em dezembro, após a assembleia geral de 15/12/2017, o mês de fevereiro é destinado à realização das assembleias setoriais nas unidades. O objetivo é que os trabalhadores discutam a proposta de Pauta de Reivindicações da data-base 2018, indicada pela direção do Sindicato.


Após a realização da assembleia geral, um fato novo ocorreu: no dia 4/1/2018, o candidatíssimo à Presidência Geraldo Alckmin anunciou reajuste de 3,5% para todo o funcionalismo. A exceção ficou os policiais (4%) e professores (7%). O reajuste é válido a partir de 1/2/2018, mas só entrará em vigor após aprovação de projeto de lei na Assembleia Legislativa. Os servidores com direito ao auxílio-alimentação (os que ganham até R$ 3.777,90) tiveram o valor alterado de R$ 8 para R$ 12.


No caso do Centro Paula Souza, segundo informações da Superintendência, os professores terão 7%, enquanto administrativos e auxiliares de docentes receberão 3,5%. Considerando que estamos há quatro anos sem reajuste e com reivindicações pendentes de anos anteriores, tais índices ficam muito aquém do que precisamos para recompor nosso poder de compra.


Em nova reunião realizada em 31/1/2018, a direção do Sinteps – diretores de base, regionais e da Executiva – avaliou a situação e aprovou indicar uma alteração na proposta de Pauta de Reivindicações anteriormente apresentada, em relação ao índice salarial: vamos reivindicar 7% para todos agora (professores, administrativos e auxiliares de docente) e um plano para recuperação do restante das nossas perdas desde 2013 (32,63%). Tão logo o projeto de lei do governador entre na Assembleia Legislativa (Alesp), o Sinteps apresentará propostas de emendas, pleiteando a extensão dos 7% para todos.


Mas, em paralelo a esta iniciativa na Alesp, precisamos impulsionar nossa campanha salarial deste ano, pois temos muito mais a reivindicar.

 

Todos às assembleias setoriais

Nas assembleias a serem realizadas nas unidades, o objetivo é que os trabalhadores debatam o indicativo de Pautae se posicionem especificamente sobre o financiamento do sindicato.Veja mais detalhes sobre este ponto:

 

Formas de financiamento do Sinteps

Antes da reforma trabalhista entrar em vigor, os sindicatos contavam com duas fontes centrais de financiamento: 1) as mensalidades pagas pelos trabalhadores associados; e 2) os valores arrecadados com o Imposto Sindical (desconto anual de um dia de trabalho de todos os trabalhadores, no mês de março).


No caso do Sinteps, a entidade sempre foi contra a cobrança do Imposto Sindical, pois acredita em um sindicalismo de base, construído em conjunto com os trabalhadores. Por defender essa postura, o Sinteps sempre devolveu para os associados o valor que cabe aos sindicatos no Imposto Sindical. Porém, é inegável que a parte do Imposto Sindical que tem ficado de posse do Sinteps tem sido fundamental para a entidade, permitindo ações e visitas às unidades, espalhadas por todo o estado, bem como proporcionar um atendimento específico (para associados e não associados), o que seria difícil de ser feito atualmente apenas com os recursos provenientes das mensalidades dos associados.


Frente à nova realidade, é preciso que os trabalhadores discutam como deve ser financiado o seu Sindicato a partir de agora.


Portanto, além de continuar trabalhando para fazer crescer cada vez mais o número de trabalhadores associados, o Sinteps precisa do apoio do conjunto da categoria à qual representa, de forma a garantir a manutenção dos serviços prestados pelo Sindicato a todos. Na pauta de reivindicações (item 26), há a proposta de instituir a “Contribuição Negocial”, correspondente a 2% do salário, uma vez por ano, no mês de março, que seria devolvida integralmente aos associados. O percentual é inferior ao cobrado pelo atual Imposto Sindical.


Nas assembleias setoriais, os trabalhadores devem discutir essa questão e decidir se concordam que o item 26 conste na Pauta de Reivindicações 2018.

 

Outros pontos importantes

O indicativo de pauta traz, ao todo, 26 reivindicações, entre elas: a implantação do Plano de Saúde Institucional, aprovado pela lei 1.240/14; implantação do auxílio alimentação de R$ 850,00 para todos; licença maternidade de 180 dias para todas; revisão da carreira (enquadramento por titulação ao pessoal auxiliar de docente e técnico-administrativo; jornada para os docentes; fim do interstício para a promoção por titulação; fim das avaliações de desempenho para a progressão; retorno da sexta-parte; política salarial do Cruesp, entre outras).

 

Corrente do bem

Os diretores do Sinteps (de base, regionais e da Executiva) vão realizar assembleias no maior número possível de unidades, que somam cerca de 300 no estado todo. Se a sua unidade não conta com nenhum diretor representante, você pode ajudar na mobilização e organizar a assembleia.


No site do Sindicato (www.sinteps.org.br), no item “Fique por dentro” – “Data-base 2018”, você encontra a proposta de Pauta de Reivindicações a ser debatida nas assembleias setoriais, bem como o modelo de ata/lista de presença. Após a assembleia, o material deve ser digitalizado e enviado para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..


Importante: De acordo com o aprovado na assembleia geral de 15/12/2017, todos os trabalhadores (não só os associados, como prevê o estatuto do Sindicato) poderão participar das assembleias setoriais, com direito a voto, a fim de que a discussão da data-base 2018 seja a mais ampla possível.


No início de março, nova assembleia geral será realizada, em São Paulo, para tabular o retorno das assembleias setoriais, fechar a pauta de reivindicações e encaminhá-la à Superintendência do Centro Paula Souza e ao governo, dando-lhes um prazo para negociarem com o Sindicato. Findo o prazo, a categoria deverá discutir a necessidade e a pertinência de uma greve geral por tempo indeterminado, definindo sua data, se esta for aprovada.

 

Clique aqui para conferir a íntegra do indicativo de pauta de reivindicações 2018, a ser discutido nas assembleias setoriais